Osteocondrite dissecante do talus

Osteocondrite

Osteocondrite dissecante do talus

Osteocondrite dissecante do tálus é uma lesão na cartilagem do tornozelo e pode ocorrer após uma torção. O paciente sente dor contínua e incapacidade de caminhar. Esse tipo de lesão ficou conhecida no mundo dos esportes por aparecer após um trauma prévio. É também conhecida pelos nomes de fratura do domus do tálus, lesão osteocondral ou lesão da cartilagem.

Essa lesão acontece no tornozelo, no osso chamado tálus, que tem como função ser o intermediário entre a perna e o pé. Ele é pequeno e possui 60% de cobertura de cartilagem articular. Dessa forma, o tálus, a superfície da tíbia e da fíbula são os responsáveis por suportar todo o peso do corpo.

Quando ocorre a osteocondrite dissecante do tálus?

Quando um atleta sofre uma entorse no tornozelo, devido à força da torção, provavelmente causará uma lesão na cartilagem. Em outras palavras, o movimento compressivo de inversão mais a força da rotação faz com que o tálus se mova através da tíbia e da fíbula. Não é apenas uma entorse no tornozelo que causa a osteocondrite dissecante do tálus. Ela pode ser uma lesão secundária após a frouxidão dos ligamentos por causa da entorse.

Um tornozelo instável significa que forças excessivas serão colocadas sobre o tornozelo, causando lesão na cartilagem. Como o tálus é mais vulnerável e menos rígido, sofre com mais facilidade danos de compressão. Dessa forma, a osteocondrite dissecante do tálus ocorre quando há o deslocamento de um fragmento da cartilagem. Em alguns casos raros, o tálus sofre de necrose vascular sem traumas.

Como acontece o diagnóstico?

Frequentemente, a osteocondrite dissecante do tálus não é identificada logo após a lesão, apenas com o deslocamento de um grande fragmento osteocondral. Assim, quando um paciente sofre uma entorse no tornozelo, ele recupera-se rapidamente. Desse modo, se ocorreu uma lesão na cartilagem, os sintomas aparecerão conforme a carga de impacto no tornozelo aumentar.

Sintomas da osteocondrite dissecante do tálus:

Sensação de rigidez no tornozelo;
Dor crônica e inchaço no tornozelo;
Sintomas de travamento e estalos;
Sensibilidade aumentada na região;
Derrame no tornozelo;
Amplitude do movimento reduzida.
As classificações quanto à gravidade da lesão no tálus exigem investigação por exames de imagem. Podem ser feitos ressonância magnética ou tomografia computadorizada. O tratamento da osteocondrite dissecante do tálus pode ser conservador ou cirúrgico.

Tratamento Conservador

Primeiramente, o paciente não deve usar o tornozelo para sustentar o peso do corpo, isso deve ser feito em um período de três semanas a um mês. Assim, aliviando o peso sobre o tálus, o edema da medula óssea é reduzido. O uso de bota ortopédica e recuperação passiva da amplitude dos movimentos são indicados. Dessa forma, o tratamento conservador inclui o controle da dor com uso de analgésicos, anti-inflamatórios e fisioterapia.

A fisioterapia ajuda no fortalecimento dos músculos que executam a inversão do tornozelo, dorsiflexão, eversão e flexão plantar. Também proporciona um treinamento funcional para os membros inferiores, para que o paciente retorne mais rápido para suas atividades esportivas.

Tratamento Cirúrgico

Existem diversos tipos de cirurgias como tratamento para a osteocondrite dissecante do tálus. Assim, elas podem ser de perfuração para estimular os reparos da fibrocartilagem, de enxerto ósseo autógeno, de fixação do fragmento osteocondral, entre outros. Igualmente, a técnica de mosaicoplastia, que enxerta no tornozelo um fragmento do osso e da cartilagem do joelho. Essa técnica é recente e tem sido muito aceita no meio esportivo.

Enfim, o ortopedista especialista em tornozelo faz a avaliação da lesão e indica o melhor tratamento. Caso tenha se identificado com algum dos sintomas, procure um ortopedista especialista em tornozelo em São Paulo